sábado, maio 18, 2024

Um ano sem Thiago de Mello rememora sua poesia universal

Uma missa em Manaus, na igreja centenária de São Sebastião, sábado, 14/1, celebrada a pedido da família, marcou a passagem de um ano da morte do poeta ribeirinho e universal, Thiago de Mello.

No convite à missa aos amigos e admiradores, o poema Fim do Mundo, do livro Narciso Cego, mostra a dimensão de infinito que o poeta tinha da morte e sua eternidade. A Prefeitura de Manaus na gestão David Almeida reconhece o significado artístico de Thiago de Mello e celebra sua memória e poesia.

A diretora-presidente, em exercício, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Oreni Braga, enfatizou que a Prefeitura de Manaus, lembra ao mesmo tempo que lamenta pela perda desse ícone da poesia mundial.

“Thiago trazia para nós e deixou como legado a reflexão sobre a importância do homem da Amazônia, sobre a importância da Amazônia para o Brasil e para o planeta”.

Para o presidente do Concultura, Tenório Telles, amigo do poeta, “A Poesia é a expressão dos sonhos e esperanças de um povo. Também da liberdade e da alegria. O poeta Thiago de Mello encarnou como poucos esses ideais tão fundamentais a todos nós”. Ele comenta que sua poética é marcada por uma profunda humanidade e intensidade lírica. “Nesse primeiro ano de ausência, sua obra continua viva e a nos falar da importância de vivermos sempre buscando possibilidades novas de existência, como manifesta no poema “A vida verdadeira”: “Não, não tenho caminho novo / O que tenho de novo é o jeito de caminhar”.

Telles, lembra que sua criação eterna, “Estatutos do Homem”, é um manifesto a favor da bondade, da amizade e do sonho de um tempo feliz para os seres humanos”.

Universal

Amadeu Thiago de Mello, nasceu em Barreirinha, no dia 31 de março de 1926, e morreu em Manaus, em 14 de janeiro de 2022. Poeta e tradutor brasileiro, é considerado um dos poetas mais influentes e respeitados no país, reconhecido como um ícone da literatura de sua geração.

Tem obras traduzidas para mais de trinta idiomas. Preso durante a ditadura (1964-1985), exilou-se no Chile, quando encontrou em Pablo Neruda um amigo e colaborador.

Ainda no exílio, morou na Argentina, Chile, Portugal, França e Alemanha. Com o fim do regime militar, voltou a sua cidade natal, Barreirinha, depois mudou-se para Manaus, onde viveu até sua morte.

Seu poema mais conhecido é “Os Estatutos do Homem”, onde o poeta chama a atenção do leitor para os valores simples da natureza humana e está exposto na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque. A “Poesia Comprometida com a Minha e a Tua Vida” que rendeu-lhe, em 1975, ainda durante o regime militar, um prêmio concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, tornou-o conhecido internacionalmente como um intelectual engajado na luta pelos Direitos Humanos.

Matérias Relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Últimas Notícias