sábado, maio 18, 2024

Manaus encerrou 2022 com o menor número de casos de malária dos últimos quatro anos

Com uma redução de 37,2% de casos de malária em comparação com 2021, o município de Manaus encerrou o ano de 2022 com o menor registro de casos da doença nos últimos quatro anos. Foram registradas 2.806 notificações no ano passado no município e 4.469 casos no ano de 2021. Os dados relativos à doença são monitorados pela Prefeitura de Manaus.

O controle dos dados é feito pelo Núcleo de Controle da Malária, por meio da Gerência de Vigilância Ambiental e Controle de Agravos por Vetores, vinculada à Diretoria de Vigilância Epidemiológica, Ambiental, Zoonoses e Saúde do Trabalhador da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Segundo a gerente de Vigilância Ambiental e Controle de Agravos por Vetores da Semsa, enfermeira Alinne Antolini, os dados seguem a tendência de redução, a cada ano, no número de casos de malária desde 2018, quando foram registradas 8.348 notificações da doença, seguindo de 6.530, em 2019, e 5.280 casos, em 2020.

“Manter a redução de casos é um desafio no município de Manaus, onde malária é uma doença endêmica e de risco, considerando as condições climáticas e ambientais existentes que favorecem a proliferação do principal vetor de transmissão da doença, o mosquito Anopheles darlingi. A situação é especialmente complicada em áreas na periferia da cidade que sofrem com o desmatamento e ocupações desordenadas, que potencializam os riscos de transmissão da doença”, explicou Alinne.

Para manter o controle da malária, a Prefeitura de Manaus tem adotado diversas ações: investimento em logística para deslocamento das equipes nas áreas de risco; reforma das bases de controle da malária; aquisição de insumos (larvicida biológico e inseticida) para controle do mosquito transmissor; implantação de mosquiteiros impregnados em domicílios nas áreas de maior risco; direcionamento das ações de prevenção e controle para áreas prioritárias, a partir do monitoramento dos indicadores epidemiológicos e entomológicos de risco; acompanhamento e apoio nas ações e programações pelos técnicos da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores, Núcleo de Malária e Setor de Controle Vetorial e Entomologia.

“O princípio estratégico fundamental das ações de controle da malária em Manaus consiste na adoção do diagnóstico precoce e no tratamento imediato dos casos da doença. Por isso, é fundamental que a população ao primeiro sinal e sintomas (febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça), procure imediatamente uma Unidade de Saúde de referência para o diagnóstico e tratamento de malária”, alertou a gerente.

Durante o ano de 2022, foram realizados 82.107 exames para diagnóstico de casos suspeitos.

Saúde pública

A malária é uma doença infecciosa produzida por protozoários do gênero Plasmodium, cujo principal vetor é o mosquito Anopheles darlingi, e é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um grande problema de saúde pública nos países em desenvolvimento.

A enfermeira Alinne Antolini explica que o município de Manaus, por meio da rede municipal de saúde, tem colaborado no esforço mundial de controle da malária com a participação em projetos e estudos sobre a doença.

Um dos projetos é o VIGilAdMA – Fortalecimento da farmacovigilância e da adesão terapêutica ao tratamento de malária, que é um estudo coordenado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em parceria com Ministério da Saúde, e executado pela Semsa, com o objetivo de implantar a farmacovigilância para tratamentos com antimaláricos, incluindo ações específicas para melhorar a adesão e a detecção precoce de sintomas de anemia hemolítica.

“O estudo apresentou resultado positivo, considerando a redução no percentual de Lâminas de Verificação de Cura (LVC) de pacientes diagnosticados e tratados para malária, de 26% no ano de 2016, para 19% no ano de 2020, mostrando que houve uma redução das recaídas pela doença e melhor adesão do tratamento pelos pacientes”, afirmou Alinne.

A Semsa também tem contribuído com a participação no Estudo TRuST – Viabilidade Operacional da Cura Radical Apropriada de Plasmodium vivax com Tafenoquina ou Primaquina após Teste Quantitativo de G6PD no Brasil, iniciado em 2021 em Manaus.

O estudo é coordenado pela Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT/HVD), em parceria com Ministério da Saúde, e em Manaus a ação é integrada entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES/AM), a Fundação de Vigilância em Saúde – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS/RCP) e Semsa.

O uso da tafenoquina reduz o tratamento de malária de sete para três dias, o que torna a adesão do paciente maior ao tratamento, reduzindo consequentemente as chances de recaídas.

O estudo tem como um dos objetivos obter evidências sobre a viabilidade operacional do uso do medicamento na prática diária de atendimento das unidades de saúde de baixa complexidade. O resultado final vai auxiliar na avaliação da viabilidade operacional e na geração de evidências para subsidiar uma possível adoção futura do medicamento em diferentes áreas do Brasil.

Matérias Relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Últimas Notícias