segunda-feira, abril 22, 2024

Prefeitura de Manaus homenageia cineasta amazonense Djalma Limongi Batista

Um encontro de amantes do cinema, amigos, parentes e admiradores do cineasta amazonense, Djalma Limongi Batista, reuniram-se numa plateia seleta para relembrar a convivência e assistir à última entrevista do artista em Manaus. O encontro aconteceu no Museu da Cidade de Manaus (Muma), no Centro, nessa sexta-feira (24/3), e foi promovido pela Prefeitura de Manaus, em homenagem ao artista que marcou a produção cultural nacional com trabalhos importantes para o cinema brasileiro.

A homenagem “in memorian” ao cineasta, diretor de teatro e professor, Djalma Limongi, falecido em 14 de fevereiro deste ano foi organizada pela Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), via Conselho Municipal de Cultura (Concultura), com a exibição do videomemória de uma entrevista, com direção do cineasta Roberto Kahane, amigo e artista visual contemporâneo do homenageado.

Antes da sessão especial, houve uma roda de conversa com depoimentos do cineasta Kahane, e do artista plástico, Sérgio Cardoso, amigos que relataram passagens da convivência com Limongi, e suas impressões sobre seus filmes e peças teatrais.

O presidente do Concultura, Tenório Telles, destacou em sua fala a importância do Clã Batista para a ciência e a cultura amazonense e manauara.

“Estamos hoje aqui celebrando nossos heróis. Um dos heróis da cidade de Manaus. Um herói que dedicou a sua vida, a arte, ao cinema, que tentou dar a sua contribuição, que levou para muito longe, o nome da cidade de Manaus, divulgou, ajudou a divulgar a nossa cidade em São Paulo e no Rio de Janeiro”, afirmou Telles, completando que a prefeitura realizou o evento com o objetivo de contribuir para que essa memória não se perca.

O presidente da Academia Amazonense de Letras (AAL), Aristóteles Alencar relembrou os episódios em que teve a experiência histórica de conhecer, conversar e tirar fotos com o Doutor Djalma Limongi, um ícone da ciência e cultura manauara.

“Muito tempo depois recebo em meu consultório o Djalma Limongi Batista, e como nunca havia estado com um cineasta, lhe perguntei de pronto se ele se emocionava com uma cena gravada por ele, como meros espectadores. No que ele responde que sim, com uma lágrima no olho”, revelou Alencar.

A irmã mais nova do homenageado, Francisca Limongi Batista, falou emocionada que ele sempre foi muito criativo. “Ele transformava tudo num filme, num roteiro. Ele era assim, muito criativo. Desde muito jovem, tanto que o papai deu uma câmera para ele ainda na adolescência para ele mesmo produzir, junto com o outro irmão mais velho, o Gualter Limongi, que era o diretor de fotografia dos seus filmes”, relembrou.

Ela contou que guarda até hoje a filmadora em Super 8mm, que Djalma usava para fazer suas produções e gravações das brincadeiras em família que eram todas roteirizadas.

“Tudo virava uma história assim, uma coisa grandiosa, que divertia a casa, a família inteira, e os amigos. Ele pregava peças, ele fazia surpresas, filmava a gente”, relembrou.

Matérias Relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Últimas Notícias